Navegar é preciso

22/04/2013 at 13:31 Deixe um comentário

A nossa dor e a dor dos outros

Luiz Manfredini *

Insuportável assistir, na semana que passou (e talvez na semana que se inicia), o choroso noticiário de TV a respeito das bombas que explodiram na maratona de Boston no último dia 15, com mortos e feridos. O episódio foi, de fato, violento, lastimável, condenável sob todos os aspectos. Como afirmou o governo cubano, em sua reprovação ao episódio, deve ser rechaçado todo ato de terrorismo “em qualquer lugar, sob qualquer circunstância e quaisquer que sejam as motivações alegadas”.

A despeito da justa indignação que as explosões causaram, a repercussão na grande mídia brasileira foi exagerada. A exaustiva ruminação do fato, até em seus detalhes mais inexpressivos, deu a impressão de que a dor dos norte-americanos vale mais do que a dor do resto do mundo, chancelada que foi como a dor suprema da humanidade nos dias que correm.
Não é. É larga e intensa, é legítima, merece irrestrita solidariedade, mas não é a dor maior do mundo.

Valeria mais que a dos palestinos massacrados cotidianamente pelo genocídio sionista apoiado pelos EUA? Mais que a dos sírios, esmagados por uma guerra insuflada por Israel e pelo imperialismo norte-americano? Mais que a dor dos tantos afegãos e iraquianos mortos pelas guerras que lhe foram travadas pelo império? Fiquemos por aqui. Há muito mais dor no mundo, boa parte disseminada pelo expansionismo belicista norte-americano. Valeriam menos que o justo sofrimento dos bostonianos? Não. Definitivamente não.

Há outro aspecto que o episódio revela: quem promoveu a explosão ocorrida à margem dos sofisticados serviços de segurança dos EUA? Ainda não se respondeu a esta questão, ao menos até o momento em que redijo esta nota. Bem pode ser um daqueles paroxismos de violência típicos da sociedade norte-americana. Ao invés de armar-se até os dentes, entrar numa escola e matar quem está pela frente, talvez o autor tenha preferido bombas. Ou então fruto do fanatismo político.

Dos 53 atentados terroristas frustrados nos EUA após a explosão das Torres Gêmeas, 43 foram atribuídos aos chamados “hate groups”, ou seja, esses enlouquecidos grupos ligados à truculenta e crescente extrema-direita norte-americana, como informa o jornalista Clóvis Rossi, em artigo sob o título “Deus salve a América. Se der”, publicado na Folha de S. Paulo dias atrás. Segundo Rossi, esses grupos cresceram em 813% só nos primeiros quatro anos do governo Obama.

Mas há os suspeitos de sempre: os árabes e seus descendentes, particularmente os muçulmanos, entronizados no maniqueísta e epidérmico imaginário norte-americano como os autores de todos os males, inimigos públicos preferenciais. Não é por menos que os muçulmanos dos EUA temam se tornar alvo de represálias após o episódio de Boston, ainda que, através de várias de suas associações, tenham condenado explicitamente as explosões. O porta-voz do Conselho das Relações Americano-Islâmicas, Ibrahim Hooper, disse que recebeu “chamadas de ódio habituais”, segundo noticiou o Vermelho.

Embora a autoria do atentado ainda não esteja descoberta, o New York Post já menciona a existência de um suspeito de origem saudita sob guarda em um hospital da cidade. Por outro lado, dois passageiros e suas malas foram retirados de um voo da United Airlines que decolaria do aeroporto Logan, em Boston, na última terça-feira, 16. Suas identidades não foram reveladas, mas sabe-se que eles falam árabe.

O lamentável episódio de Boston confirma um certo autocentrismo do conjunto da sociedade norte-americana, cada vez mais alheia ao que chama de “resto do mundo” e, a meu ver, alienada e enfermiça. Nunca me esqueço que seus protestos contra as guerras de hábito perpetradas pelos EUA mundo afora afloram apenas quando começam a chegar os corpos dos seus filhos mortos em combate. É aí que ela se sensibiliza. Quanto aos mortos do outro lado, do lado que em diversos países resistiu à invasão ianque, bem, quanto a esses que morrem aos milhares, pouco se lhes dá. A dor do “resto do mundo” não importa tanto, vale menos, certamente.

Luiz Manfredini é jornalista e escritor em Curitiba, representa no Paraná a Fundação Maurício Grabois e é autor de “As moças de Minas”, “Memória de Neblina”, “Sonhos, utopias e armas” e “Vidas, veredas: paixão”.

Entry filed under: “Navegar é preciso” - Luiz Manfredini, Colunistas. Tags: .

Conferência Estadual do PCdoB-Paraná sobre Meio Ambiente acontece neste sábado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Quem é:

O blog do PCdoB paranaense é um espaço para notícias, informações, artigos, fotos e documentos do Partido no Estado e outros textos de interesse coletivo. Seja Bem Vindo!

PCdoB no Facebook

Arquivo de Notícias

Categorias

Fotos do PCdoB-PR

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Mais fotos

PCdoB no Twitter

Filie-se ao PCdoB

Vereador Nilton Bobato

Nilton Bobato

Vereador Paulo Porto

Paulo Porto

Estatísticas

  • 321,963 visitantes.

%d blogueiros gostam disto: