O coronel, os intelectuais e a cadeia

11/03/2013 at 08:49 1 comentário

jura03

*Luiz Manfredini

 Comentou-se, à época – março de 1978 – que o general Ernesto Geisel, então presidente da República, passou mal (com vômito e tontura) ao se deparar, no Jornal do Brasil, com as ferinas críticas que lhe foram endereçadas por um subordinado, o tenente-coronel Tarcísio Nunes Ferreira. A informação jamais foi comprovada, mas inegável que a entrevista do militar – ácida contra Geisel, contra o que considerava desvios do “movimento militar de 1964” e a favor da abertura do regime – causou, digamos, certo frisson na caserna.

Não por menos: pela primeira vez desde o golpe um militar da ativa criticava abertamente o “status quo”. E não um militar qualquer. Este comandava o13o Batalhão de Infantaria Blindada, a mais poderosa unidade da 5a Região Militar (Paraná e Santa Catarina),com sede em Ponta Grossa, a pouco mais de 100 quilômetros de Curitiba.

A entrevista de página inteira realizada por mim, então repórter da sucursal paranaense do Jornal do Brasil, e publicada há exatos 35 anos, em 11 de março de 1978, desenvolvia o que o coronel já defendera para cerca de 200 membros do Lions Club de Ponta Grossa uma semana antes. A palestra, que valeu a Tarcísio prisão domiciliar de dois dias, inaugurou o curto período de três semanas em que o País se agitou a partir de Curitiba, pois à palestra e à entrevista sucederam nova detenção do militar, dessa feita de 30 dias, o sequestro de uma professora por um grupo paramilitar e a prisão de 11 intelectuais pela Polícia Federal, acusados de ensinar marxismo-leninismo a crianças em duas pré-escolas. Sobretudo estas prisões provocaram grande mobilização da opinião pública, não só na capital paranaense, como em todo o Brasil, com expressiva repercussão internacional.

Os episódios daquele março turbulento em Curitiba marcaram um capítulo a mais, talvez um capítulo decisivo da conflagração entre duas alas do regime militar – conhecido então como “o sistema” –, divididas entre os defensores da “distensão lenta, gradual e segura” do presidente Geisel e os que se opunham a ela, a chamada “linha dura”. Meses antes, em outubro de 1977, os duros haviam sofrido importante revés com a demissão do general Sylvio Frota do Ministério do Exército.

Fiel, mas crítico

Aos 47 anos na época, 26 dos quais dedicados ao Exército, o Coronel Tarcísio Nunes Ferreiradeixou clara sua “fidelidade aos ideais do movimento de 31 de março de 1964”, mas criticou o que considerava sua deformação: “Nós saímos de um processo totalitário que se tentava, através do governo, pela desordem, para um processo totalitário feito pelo governo, pelo excesso de ordem”. Para ele, “numa sociedade o que é preciso é a harmonia, e não a ordem”.

Na longa entrevista, o coronel defendeu a imediata abertura democrática no país, com pluripartidarismo (mas sem a participação do Partido Comunista), quebra dos instrumentos de exceção dos quais a ditadura ainda se valia, anistia e até mesmo uma assembleia constituinte. E endereçou ao presidente Ernesto Geisel críticas corrosivas. Opôs-se ao seu conceito de democracia relativa e aos poderes imperiais da Presidência.

Mas certamente o que mais repercutiu foi a exortação: “É preciso que, de alguma forma, os militares quebrem o silêncio” para defender o que Tarcísio considerava pensamento hegemônico nas forças armadas, ou seja, a abertura democrática. Mais grave foi o militar sustentar que “há momentos em que se justifica a quebra da disciplina em nome da legitimidade”, principalmente quando “estão lançando nos nossos ombros a culpa de todos os erros que estão aí patentes”. Era incitação à rebeldia militar, logo naqueles tempos bicudos.

Nunca se soube o quanto Tarcísio Nunes Ferreira estava ligado a outros setores militares e civis. Ao longo do tempo, ele atribuiria sua entrevista a iniciativa meramente pessoal. Mas sempre foi intrigante o fato dele praticamente escolher o Jornal do Brasil para conceder a entrevista, combinando inclusive a data da publicação. Sobre um móvel da sala de sua casa, observei um punhado de bilhetes aéreos. Na ocasião o coronel negou que fizesse viagens pelo Brasil. Mesmo assim, alguns analistas o viram simpático à candidatura presidencial do ex-governador de Minas Gerais Magalhães Pinto, tido como o líder civil do golpe de 1964. Três meses depois da entrevista, um dos mais entusiastas apoiadores do coronel, o ex-ministro Ivo Arzua Pereira, aderia à Frente Nacional de Redemocratização, capitaneada por Magalhães e Tancredo Neves. A Frente desembocaria na candidatura do general Euler Bentes Monteiro contra a do também general João Batista Figueiredo, patrocinada por Geisel.

Sequestro e prisões

 No final da tarde de sexta-feira, 17, o coronel já cumpria,no 5o Grupamento de Artilharia de Campanha, no bairro do Boqueirão, a pena de 30 dias de detenção que recebera por conceder a entrevista, quando paramilitares sequestraram a jornalista e professora Juracilda Veiga na saída do colégio Cônego Camargo, onde lecionava. Treze horas depois, no amanhecer de sábado, a Polícia Federal prendia 11 pessoas ligadas às escolas Oca e Oficina, de educação infantil. Além de mim,estavam presos o também jornalista Walmor Marcelino, o advogado Edésio Passos, o engenheiro Paulo Sá Brito, os publicitários Reinoldo e Sueli Atem, o professor Léo Kessel, a pedagoga Silvia Magalhães e as sociólogas Bernadete Zaneti Sá Brito, Lígia Mendonça e Ana Lange. Segundo nota oficial da PF, “as escolas vinham doutrinando crianças dentro de princípios marxistas, desenvolvendo-lhes uma visão materialista e dialética do mundo, incutindo nelas a negação de valores como a religião, a família e a tradição histórica”.

É provável que os acontecimentos não tenham sido tramados intencionalmente, mas trocaram influências recíprocas. Os detidos no caso das pré-escolas foram escolhidos a dedo entre aqueles com mais extensos antecedentes na luta contra a ditadura. No meu caso, por exemplo, eu havia tido com a escola Oficina uma relação meramente pontual anos antes, mas meu prontuário na polícia política e o fato de haver entrevistado o coronel de Ponta Grossa, ajudavam os duros do regime e comporem seu raciocínio: a ditadura não poderia retroceder, pois os subversivos – como eram chamados, na época, os opositores mais firmes – tanto se mantinham atuantes que agora se infiltravam até em pré-escolas e açulavam militares contra seus superiores.

Mas ocorreu o que, para a “linha dura”, era inesperado: a instantânea, larga e intensa reação da sociedade. O sequestro de Juracilda Veiga, embora sem relação aparente com as prisões, colocou no cenário a Igreja Católica, pois a professora e jornalista era militante das comunidades eclesiais de base. Não podendo solidarizar-se apenas com Juracilda, o clero local esteve à frente das mobilizações por todos. Nas missas celebradas no domingo, 19, nas mais de cem paróquias de Curitiba, foi lida uma carta-aberta à população assinada pela Comissãode Justiça e Paz do Paraná e outras 34 organizações da sociedade civil, reunidas em assembleia permanente na Cúria Metropolitana. A carta manifestava preocupação com o “clima de terror e insegurança”. Exigia a imediata libertação dos presos, esclarecimentos sobre o sequestro de Juracilda Veiga e “apuração de atos ilegais do clandestino Comando de Caça aos Comunistas”.

Protestos com humor

As prisões em Curitiba ecoaram por todo o Brasil, provocando condenações generalizadas. A imprensa, cujos patrões naquele momento já começavam a se descolar do projeto dos militares, que eles apoiaram em 1964, repercutiu à larga os acontecimentos. Curitiba ficou coalhada de correspondentes dos jornais nacional. A inglesa Patrícia Feeney, coordenadora do Departamento de Pesquisa Internacional para a América Latina da Anistia Internacional, aportou na cidade para melhor acompanhar os fatos. Mais de oito mil telegramas chegaram do exterior e de vários estados à sede da Polícia Federal, pedindo liberdade para os detidos.

Além da violência, o episódio continha também boa dose de ridículo. A alegação de que os 11 detidos ensinavam marxismo-leninismo às crianças das duas pré-escolas foi logo incorporada ao anedotário nacional. Luiz Fernando Veríssimo produziu uma hilária “cartilha marxista” que estaria sendo aplicada aos meninos e meninas de Curitiba. Em sua coluna do Jornal do Brasil, o poeta Carlos Drumond de Andrade noticiou declarações do garoto Fifico, de três anos e meio de idade, segundo as quais sua professora trocou o livro “Circo de Coelhinhos”, do escritor Marques Rebelo, pelo “O Capital”, de Karl Marx. “Marques e Marx, tudo é a mesma coisa”, teria alegado a professora. No mesmo Jornal do Brasil, Carlos Eduardo Novaes em longa crônica intitulada “A subversão infantil”, informou que, nas duas pré-escolas de Curitiba, as aulas começavam com historinhas que poderiam ser “Chapeuzinho Vermelho e o Lobo Reacionário”, como “A Branca de Neve, Lacaia do Capitalismo, e os Sete Anões Explorados” ou ainda “Pluf, o fantasma do imperialismo”.

Entre humor e protestos políticos, a pressão foi tal que os detidos acabaram sendo soltos já a partir do terceiro dia após as prisões. Uma semana depois, no domingo, 26, os três últimos deixaram a cela: eu, o também jornalista Walmor Marcelino e o advogado Edésio Passos. Juracilda Veiga permaneceu 24 horas nas mãos dos sequestradores, sempre encapuzada, sofrendo choques elétricos e ameaças em dez 10 longos interrogatórios. O coronel Tarcísio Nunes Ferreira deixou o 5o Grupamento de Artilharia de Campanha em meados de abril, sendo transferido para uma função burocrática em Recife, a do serviço militar. Em 1995, o jornalista, escritor e cineasta Valencio Xavier narrou as prisões no premiado vídeo-documentário “Os Onze de Curitiba – Todos nós”.

O revés na capital paranaense, no entanto, não impediu que a extrema-direita voltasse a agir. Explodiu bombas em bancas de jornal de várias capitais, nas sedes da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no Rio, ameaçou, sequestrou e espancou lideranças da oposição e, em 31 de abril de 1981, uma bomba detonou por acidente no colo de um dos terroristas – um capitão do Exército – antes que ele a armasse nas instalações do Riocentro, onde cerca de 20 mil pessoas comemoravam o 1º de Maio.

Mas as ações da extrema-direita – a “linha dura” militar e seus aliados civis –não impediram a progressiva decomposição da ditadura, que prosperava já desde meados da década de 1970. O prenúncio da derrocada ocorreu nas eleições de 1974, quando o MDB – o partido de oposição no bipartidarismo consentido pelos militares – derrotou fragorosamente a governista Arena. Para se ter uma ideia, o MDB passou de sete para 20 senadores e de 87 para 165 deputados federais. A sociedade civil começava a se posicionar francamente contra a ditadura, o que se confirmou nas maciças reações à morte do jornalista Vladimir Herzog e do operário Manoel Fiel Filho, nas dependências do DOI-CODI paulista, em outubro de 1975 e 1976, respectivamente.

Quando o coronel Tarcísio Nunes Ferreira concedeu a entrevista, os estudantes já tratavam de reorganizar a UNE, o que ocorreria em 1979. Exatos dois meses depois dos episódios de Curitiba, a greve dos trabalhadores da Scania, no ABC paulista, marcava o reingresso do movimento operário na cena política brasileira. Despontava ali a liderança do metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva. A ditadura já não tinha como manter instrumentos de exceção como o AI-5, afinal revogado em dezembro de 1978. Daí em diante o regime dos militares despencou ladeira abaixo, sem poder resistir à pressão popular. Seguiu-se a anistia, em agosto de 1979, as eleições diretas para governadores, em 1982, o gigantesco movimento das Diretas-Já, em 1984 e, no ano seguinte, a vitória de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral. A ditadura perdia-se diante da forte oposição no terreno que ela própria criara para se preservar.

Luiz Manfredini é jornalista e escritor em Curitiba, representa no Paraná a Fundação Maurício Grabois e é autor de “As moças de Minas”, “Memória de Neblina”, “Sonhos, utopias e armas” e “Vidas, veredas: paixão”.

Entry filed under: Artigos. Tags: .

PCdoB divulga nota sobre o 8 de Março Navegar é Preciso

1 Comentário Add your own

  • 1. Nereu Faustino Ceni  |  11/03/2013 às 22:32

    Excelente matéria, muito educativa , deverá fazer parte de leitura nos cursos de formação política do nosso partido. Manfra consegue em poucas linhas relatar um episódio envolto na grande luta nacional pela democracia. Valeu !

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Quem é:

O blog do PCdoB paranaense é um espaço para notícias, informações, artigos, fotos e documentos do Partido no Estado e outros textos de interesse coletivo. Seja Bem Vindo!

PCdoB no Facebook

Arquivo de Notícias

Categorias

Fotos do PCdoB-PR

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Mais fotos

PCdoB no Twitter

Filie-se ao PCdoB

Vereador Nilton Bobato

Nilton Bobato

Vereador Paulo Porto

Paulo Porto

Estatísticas

  • 321,963 visitantes.

%d blogueiros gostam disto: