Renato Rabelo: “Enfrentar os ataques do conservadorismo”

18/12/2012 at 15:25 Deixe um comentário

A Comissão Política Nacional do PCdoB reuniu-se em São Paulo nesta segunda-feira (17) para analisar a situação atual e iniciar o debate em torno do projeto político eleitoral do Partido para 2014.

O presidente nacional do Partido, Renato Rabelo, ao fazer a abertura da discussão, partiu das decisões tomadas na última reunião do Comitê Central de 24 de novembro. Citando o documento “Mobilizar a Nação pelo Desenvolvimento e a Democracia”, o líder comunista reafirmou que a direção partidária adotou resoluções justas e consentâneas com a realidade brasileira.

Rabelo afirmou que “não podemos subestimar o sistema de oposição institucional e a mídia monopolizada brasileira que tramam para interromper o ciclo político inaugurado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003”.

Com este objetivo, na opinião do presidente do PCdoB, estas forças oposicionistas tentam desacreditar a liderança de Lula, procuram reescrever a história recente do país e empreendem um esforço para desqualificar as justas medidas tomadas pela presidenta Dilma Rousseff no sentido de enfrentar no país os reflexos da crise do capitalismo que varre o mundo desde 2008.

De acordo com Renato Rabelo, as forças progressistas e democráticas estão diante de duas tarefas: enfrentar os ataques do conservadorismo e deslindar um caminho próprio do Brasil para enfrentar a crise.

Os setores direitistas – que dão voz ao sistema rentista contrariado pelas decisões recentes da política macroeconômica adotada pelo governo – querem criminalizar o que chamam de “lulopetismo” para tentar se recuperar das grandes derrotas eleitorais e políticas sofridas pelos partidos oposicionistas (PSDB, DEM, PPS) nas eleições deste ano.

Desta maneira, prosseguiu Renato Rabelo, a oposição de direita faz movimentos táticos no sentido de desviar o centro de sua atuação para o campo jurídico-institucional, criminalizando a política, os partidos progressistas e as maiores lideranças atuais do Brasil – o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff. Rabelo lembrou que segundo as pesquisas mais recentes, divulgadas no último fim de semana, o apoio popular a estas lideranças não para de crescer.

No afã de judicializar o quadro político nacional, a oposição vislumbra um sistema em que o Judiciário é o vértice da pirâmide e os outros dois poderes a ele devem se submeter. Com a decisão desta segunda-feira do Supremo Tribunal Federal de concluir a votação pela cassação dos mandatos de três parlamentares da Câmara dos Deputados, esta disputa constitucional poderá se elevar a um novo e perigoso patamar. Vai se criando, diz Renato, um ambiente de medo e instabilidade, num processo parecido com o que se instalou no auge da Guerra Fria nos Estados Unidos com o Macartismo.

A vulgarização da delação premiada cria uma reação em cadeia, promovendo a insegurança jurídica e a instabilidade institucional. Enquanto isso, no plano econômico, Renato Rabelo constata que a construção de um novo modelo de desenvolvimento está a exigir um novo pacto político. Com a queda sucessiva da taxa de juros no Brasil, a adoção de uma política de câmbio administrado e de desestímulo ao capital especulativo, as novas regras da poupança e os estímulos à produção industrial e ao consumo, estão sendo criadas as bases para a mudança da lógica da formação do lucro no país, afirma Rabelo. Todas estas e outras medidas governamentais desencadearam forte reação do rentismo, capitaneadas pelos editoriais dos jornalões da mídia conservadora e até da revista inglesa The Economist, que pediu a cabeça do atual ministro da Fazenda Guido Mantega.

É por isso tudo que a oposição concentra seus ataques em Lula, na presidenta Dilma e luta para alterar a política macroeconômica do governo. Da parte das forças progressistas, insistiu Renato, é preciso destravar a desconfiança que ainda se encontra no setor empresarial. Com a política de redução do custo da energia elétrica adotada por Dilma, foi possível uma aproximação da Fiesp, por exemplo, com o governo. Os trabalhadores e suas centrais sindicais, por seu turno, também deverão se mobilizar para apoiar estas medidas que favorecem a população e a indústria, instou Renato.

Neste quadro o PCdoB, segundo Renato Rabelo, tem uma responsabilidade histórica de barrar o retrocesso e a investida reacionária que procura ganhar expressão. A presidenta Dilma merece apoio na luta para que o Brasil atinja um novo patamar de desenvolvimento nacional.

Com informações da assessoria da presidência nacional do PCdoB

 

Entry filed under: Geral. Tags: .

Governo e sociedade civil definem metas de desenvolvimento sustentável Os desafios da construção do PCdoB no Paraná

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Quem é:

O blog do PCdoB paranaense é um espaço para notícias, informações, artigos, fotos e documentos do Partido no Estado e outros textos de interesse coletivo. Seja Bem Vindo!

PCdoB no Facebook

Arquivo de Notícias

Categorias

Fotos do PCdoB-PR

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Conferência Estadual do PCdoB

Mais fotos

PCdoB no Twitter

Filie-se ao PCdoB

Vereador Nilton Bobato

Nilton Bobato

Vereador Paulo Porto

Paulo Porto

Estatísticas

  • 321,963 visitantes.

%d blogueiros gostam disto: